Quanto mais conexões sociais, mais se vive e tem saúde

02 OUT 2017

Quanto mais amigos, maior é a longevidade. A socialização é importante para a saúde mental da população acima dos 60 anos, que costuma receber menos estímulos cognitivos conforme envelhece. É possível se preparar para essa fase da vida durante a juventude, estabelecendo laços com as pessoas e praticando mudanças em seu estilo de vida.

De acordo com o Estudo de Harvard do Desenvolvimento Adulto, pessoas que estão mais conectadas socialmente são mais felizes, têm mais saúde e vivem mais do que aqueles com poucas conexões. Saber pedir e conceder perdão é uma habilidade importante para a manutenção de bons relacionamentos com amigos, familiares e com a comunidade.

A pesquisa, que já vem sendo realizada há 75 anos com dois grupos de homens e agora com seus filhos, é um dos estudos longitudinais mais abrangentes de toda a história. Uma de suas principais descobertas foi que bons relacionamentos nos mantém mais felizes e saudáveis. Portanto, mais longevidade.

Já o estudo britânico Potentially modifiable lifestyle factors, cognitive reserve and cognitive function in later life: A cross-sectional study, revela que diferentes mudanças no estilo de vida podem ajudar a preservar a função cognitiva mesmo ao envelhecer. Alguns dos fatores que influenciam significativamente a manutenção desta função são a prática de atividade física, uma dieta saudável e atividade social e cognitiva.

A mesma pesquisa aponta que a perda das capacidades cognitivas não é uma parte inevitável do envelhecimento. A geriatra defende o planejamento para a vida idosa incluindo novos aprendizados e destaca a importância da manutenção de bons relacionamentos ao longo da vida.

"O isolamento do indivíduo faz mal à saúde, por isso manter o contato com as pessoas e melhorar as relações é muito importante. São coisas que qualquer um pode fazer antes de atingir a maioridade e que podem melhorar e muito a qualidade de vida. É necessário se preparar para envelhecer, é um hábito que a população brasileira ainda precisa desenvolver e que vai fazer toda a diferença no futuro. Além disso, é importante manter-se ativo e aberto a novas experiências de aprendizagem como cursos, aulas, workshops, oficinas, algo que traga benefícios cognitivos", diz Maristela.

Aumento do envelhecimento demográfico

Pesquisas recentes mostram uma clara tendência de envelhecimento demográfico. A proporção de pessoas com mais de 60 anos passou de 9,8% para 14,3% entre 2005 e 2015 no Brasil, segundo recente estudo do IBGE. Na faixa de 60 a 64 anos, o nível de ocupação aumentou de 47,6% para 52,3% no mesmo período. Em contrapartida, caíram as proporções de crianças de 0 a 14 anos (5,5 pontos percentuais) e de jovens de 15 a 29 anos (3,8 pontos percentuais).

"A queda da fecundidade e o aumento da expectativa de vida representam hoje um novo padrão demográfico para o Brasil, impactando diretamente sua pirâmide etária. A previsão é que em 2060 a população jovem represente apenas 15,34% do total. Em 2030, quase metade da força de trabalho estará acima de 45 anos. Os dados são relevantes e exigem cuidados que impactam a agenda de saúde pública para a promoção de uma vida melhor e mais longa", ressalta Maristela Soubihe, geriatra do Hospital Santa Paula (SP).

"O idoso de hoje traz com ele uma história de perdas e vitórias porque, para o senso comum, a idade cronológica seria uma característica definidora: quando nos tornamos velhos, seríamos esvaziados de paixões, capacidades e experiências e sofreríamos um declínio generalizado. Porém, com o passar do tempo, percebemos que é nesta fase que começa um novo momento. É quando estamos livres para ter lazer, ter prazer e seguir as próprias vontades. Nos descobrimos vitais, engajados e curiosos", explica a psicóloga Maria Célia de Abreu, de 73 anos.

Segundo ela, os idosos continuam a crescer, até o último suspiro. "Nosso senso do que é de fato importante aumenta, pois levamos a vida com mais intensidade. Sabemos que ela não vai durar para sempre. Resistir à idade é um modo tolo de resistir à vida. Não podemos viver fora do tempo. Tornar a vida dos idosos, cada vez mais numerosos, confortável e significativa, é um ponto fundamental de igualdade que beneficiará as pessoas de todas as faixas etárias", acrescenta.

Dia do Idoso e O Novo Envelhecer

O Dia Internacional do Idoso é comemorado no Brasil no dia 1º de outubro e tem como objetivo valorizar as pessoas com mais de 60 anos. A data marca a promulgação do Estatuto do Idoso - Lei N°10.741, que reforça a importância da proteção a esse público e estabelece direitos como a prioridade em alguns serviços e a garantia de acesso à saúde, alimentação, educação, cultura, lazer e trabalho.

Fonte: http://www.vidaeacao.com.br/mais-conexoes-sociais-mais-longevidade/
Notícias recentes
Links rápidos
Corpo Clínico
Nosso Corpo Clínico é composto por profissionais especializados em diversas áreas. Conheça.
Acessar
Diretoria médica
Conheça nossa Diretoria médica e saiba como ela atua.
Acessar
Dúvidas e FAQ
Tem alguma dúvida sobre os serviços prestados? Consulte o nosso FAQ e veja se já temos resposta para a sua pergunta.
Acessar
Especialidades
O Hospital Santa Paula reúne profissionais das mais diferentes especialidades. Descubra cada uma delas.
Acessar
Histórias
Compartilhe sua história e acesse depoimentos exclusivos de outros pacientes que são grandes exemplos de força e superação.
Acessar
Retire sua Nota Fiscal
Acesse o serviço de emissão de Nota Fiscal e retire a sua.
Acessar
Revistas Santa Paula
Periodicamente, disponibilizamos aos nossos pacientes e clientes informativos completo sobre o que há de mais atual no campo da saúde.
Acessar
Copyright © 2017 - Hospital Santa Paula S/A - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por: G.M. Sousa Prestação de Serviços